Redes Sociais – Você É O Que Você Compartilha!

Você já parou para pensar quanto tempo por dia você gasta vendo Instagram, Facebook, Whatsapp, etc? Convido-te a fazer essa reflexão!

De fato vivemos na era da conexão, é quase impossível não ser assim. Fizemos das redes sociais a principal ferramenta de comunicação e interação com o mundo. E isso tem seus ganhos e perdas, o lado bom e ruim. Como saber disso? É muito simples: Observe como você as utiliza! Os conteúdos que você consome diariamente, o que você posta e /ou compartilha.

Sabe o que faz mal? É o excesso!

Quem nunca entrou só para dar uma olhadinha e quando viu, já tinha se passado ao menos 30 minutos? Vamos as contas? Se você gasta no mínimo 30 minutos por dia, os resultados vão ser exatamente:

Por semana 3 horas e meia, por mês 14 horas, por ano 168 horas que vai resultar em 7 dias. Sim, 1 semana é o total dessa conta! Será que dá para fazer algo relevante com 1 semana?

Cá entre nós, se formos analisar o real tempo gasto, esses números são bem maiores. E a proposta aqui não é exatamente criticar o “quanto” tempo e sim o “como” (com que finalidade) ele é gasto usando as redes sociais.

O que você comunica nas redes?

Um dos critérios que pode te tornar relevante é justamente a forma de você se comunicar. As redes sociais estão aí fornecendo toda a facilidade e velocidade para isso.

Nunca tivemos tanto acesso em termos de quantidade de conteúdo como temos agora. Porém, essa quantidade nem sempre vem acompanhada de qualidade e veracidade. Então, fique esperto!

Os perigos x irrelevância

Duvido que você nunca tenha visto um conteúdo irrelevante. Seja alguém que publica notícias trágicas, o “posta tudo” – simplesmente tudo que acontece na vida dele é publicado (acho que tem gente que exagera um pouco nisso e esquece que as redes sociais são uma vitrine, das questões de privacidade e se expõem de forma desnecessária e porquê não dizer, perigosa também).

Já vi pessoas recebendo e perdendo oportunidades de trabalho, relacionamentos amorosos começarem e acabarem, vidas expostas nos mínimos detalhes, entre outras situações absurdas que nem convém comentar aqui. E por isso, é tão importante ter o bom senso.

Você é o que você compartilha!

Foi isso que eu ouvi de Gil Giardelli durante um evento, há um tempo. Desde então, minhas interações com as redes sociais mudaram. Adotei isso como referencial para mim.

O que mudou?

– Só publico ou compartilho qualquer conteúdo se ele for capaz de impactar positivamente a vida de alguém ou se vai agregar valor para quem me segue;

– Por questões de privacidade, divulgo cada vez menos sobre minha vida pessoal;

– Busco utilizar as redes sociais para interagir profissionalmente e absorver conteúdo relevante (temas que vão me ajudar a evoluir como pessoa e profissional).

O maior ganho em mudar minha relação com as redes sociais, é que hoje consumo conteúdo de maior relevância, amplio minhas conexões e interações profissionais. Já consegui alguns trabalhos e recebo feedbacks positivos sobre os conteúdos postados. Eu não gasto tempo, eu invisto tempo aprendendo, me desenvolvendo de forma estratégica e compartilhando conteúdo que agrega valor.

Que tal refletir a forma como você tem usado as redes sociais? 

Minha mensagem final para você é: Tudo que for pobre de conteúdo, que não condiz com o seu propósito de vida e não está relacionado a suas metas e objetivos, nunca deverá ser digno de sua perda de tempo (Mikaella Souza).

Sucesso e até o próximo post!

Mikaella Souza
Mikaella Souza
Co-idealizadora da Arché Aceleradora l Educadora l Palestrante l Praticante do autoconhecimento.
Posts Relacionados
Autorrealização: A Importância De Viver Com Propósito

Fala minha galera inspiradora, tudo bem com vocês? Que tal começarmos este novo ano dando um passo maior na busca da nossa satisfação pessoal?  Algo me diz, que muitos jovens leitores desse blog já estão planejando o caminho que vão levá-los na direção da sua auto realização. Sendo assim, esse tema não poderia passar em […]

Leia mais
10 Coisas Que Eu Deveria Saber Quando Tinha 20 Anos

Você mal ingressou na fase adulta e já morre de saudades da infância. Como era legal não se preocupar com a carreira, com o futuro, escolher uma profissão, entrar numa faculdade sem saber se escolheu o curso certo, ter contas para pagar, assumir responsabilidades. Enfim, virar adulto e aceitar todas as obrigações que essa nova […]

Leia mais